O lugar do Ativador de Redes no Projeto Engrenagens da educação permanente

Fernando Sfair Kinker, Ana Beatriz Barbosa Barreiros, Valdiza Nunes de Aguiar Soares, Ivana Peixoto, Luciane Bonfim de Oliveira Almeida

Resumo


Este artigo traz uma reflexão sobre o papel do ativador de redes no Projeto Engrenagens da Educação Permanente na Rede de Atenção Psicossocial, e está organizado em três blocos: anunciar a forma como foi concebido esse ator e a expectativa em torno dele, com base em documentos do Ministério da Saúde; fazer uma reflexão sobre como esse processo se desenvolveu na prática, problematizando as variadas formas de se conceber a Rede de Atenção Psicossocial – RAPS; e expressar como esse processo reverberou no corpo dos ativadores, a partir de seus relatos. A conclusão a que se chegou é a de que a construção do papel do ativador trouxe à cena contradições, potencialidades e o questionamento do papel dos demais atores que compõem as redes: os gestores, os trabalhadores, os usuários e os agentes sociais envolvidos nas políticas públicas e na vida dos territórios. 

Palavras-chave: Educação permanente. Rede de Atenção Psicossocial. Reabilitação Psicossocial .

 

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.29397/cc.v3n1.85

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Cadernos do Cuidado

 

ISSN 2595-0886
FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ | MINISTÉRIO DA SAÚDE

Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900 Rio de Janeiro | Brasil

     

  

 

 Licença Creative Commons